Saltar para o corpo principal da página

Site oficial da liga moçambicana de futebol

2019-09-18

O futebol profissional precisa de um projecto de quatro anos

O presidente da LPFP-Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Pedro Proença, disse esta quarta-feira, 18 de Setembro, em Maputo, que a gestão do futebol profissional do futebol moçambicano pode ter um grande futuro que seja benéfico para todos os actores.

O futebol profissional precisa de um projecto de quatro anos

Para este efeito, conforme defendeu o dirigente desportivo português - que se encontra em Moçambique para uma visita de três dias - é importante que a Liga Moçambicana de Futebol trace um plano estratégico ambicioso para os próximos quatros anos, com o propósito de virar a página e poder alavancar a gestão das competições profissionais a nível nacional.

Para sustentar esta declaração, Pedro Proença trouxe ao nosso País um exemplo do que, aliás e, se diga de passagem, sentiu na pele em Portugal. Verdade é que, quando em 2015 chegamos na gestão da LPFP, encontramos uma organização que estava em estado de insolvência efectiva. Mas desenhamos um plano estratégico para quatro anos, a partir de então.

Primeiro criamos condições para a viabilidade económica, passando por um processo que teria de ser, passado um ano, auto-sustentável; Fazer da Liga Portugal uma marca internacional; Fazer e trazer a si um valor maior que uma competição pode ter, para que possamos ter pessoas que confiram maior credibilidade a uma competição; Ter uma arbitragem que seja ela, por si só, profissional no que diz respeito à sua credibilidade e ser capaz de inovar a todo momento, bem como assumir o marketing como uma ferramenta fundamental para a produção do espectáculo, enumerou Pedro Proença.

Ainda na esteira das recomendações dadas à Liga Moçambicana de Futebol, Pedro Proença assumiu que Moçambique tem do mais importante para o seu sucesso no futuro, que é talento dos seus atletas.

Depois de avaliar o nosso valor, juntamos os clubes à volta daquilo que era, para nós, o modelo para os quatro anos, contados desde 2015. Nos primeiros meses muitos não acreditaram, afirmando que o futebol nunca foi uma actividade industrial, porém hoje assumimos que mudamos este paradigma. Hoje somos a sétima maior Liga a nível europeu, com mais de 600 jogos por época. Somos, igualmente, a mais exportadora para o mercado europeu.

Por fim, Pedro Proença instou a Liga Moçambicana de Futebol para que estabeleça, ainda no quadro do projeto de quatro anos, um modelo de negócio que seja passível de ser monitorado e que quantifique tudo o que for feito. É importante e fundamental que a LMF conheça, ao detalhe, os negócios e os acordos de parcerias que faz com os patrocinadores.

De referir que o presidente da LPFP fez estas declarações em Maputo, durante o encontro que manteve com os patrocinadores da .